Data da Publicação: 04/08/2020 10:00:00

Câmara instaura CPI do Dmaae para investigar gestão de Bruno Zucareli

Os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito terão 90 dias para realizar as investigações

Na noite desta segunda-feira (03), a Câmara Municipal instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar possíveis irregularidades no Departamento Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Dmaae) durante a gestão de Bruno Zucareli. Os vereadores receberam a denúncia do Sr. Donis de Almeida do Couto e iniciaram os trâmites. Os vereadores Márcio Daniel Igídio (SD), Paulo Luiz de Cantuária (MDB), Rafael Francisco da Silva (PSC) e Vanderlei Cândido de Almeida (PL) assinaram o pedido de instauração da CPI.

 O ex-diretor do Dmaae, Bruno Zucareli, foi alvo de denúncias nas redes sociais nas últimas semanas. Um áudio de mais de quatro minutos rodou pelas redes com graves acusações ao gestor enquanto esteve à frente do Departamento de Água. Agora, a Câmara Municipal recebeu uma denúncia formal para investigar essas possíveis irregularidades e iniciou os processos.

Apesar de participar ativamente da Comissão de Inquérito, sendo um dos três escolhidos para tocar a investigação, o vereador Rafael Francisco da Silva viu com certa desconfiança a denúncia. “Essa denúncia tem um cheiro muito forte de denúncia eleitoreira, principalmente pela época que ela foi feita. […] Só que a denúncia chegou e eu reitero a importância da Câmara apurar os todos os fatos e dar uma resposta ao denunciante, dar uma resposta e direito de resposta aos denunciados e, principalmente, à população de Ouro Fino. Se for verdade os fatos aqui narrados, os fatos são graves, merecem apuração e terá sempre a minha aprovação no voto”, comentou.

Já o vereador Márcio Daniel Igídio vê com importância essa CPI, ele já defendeu em outras ocasiões investigações na autarquia. “Nessa semana saiu um áudio de um problema com tintas e o rapaz já desmentiu nas redes sociais. Nessa de vai, não vai, chegou a denúncia para nós vindo de um cidadão e vamos investigar. O vereador precisa de documento, não pode fazer uma CPI com base em boato. Hoje vamos fazer essa CPI e apurar certinho se houve ou não irregularidade no Dmaae”, cravou.

O vereador Antônio Carlos Franceli (PL) foi outro que comentou sobre a CPI. “O áudio que correu nas redes sociais já foi desmentido pelo próprio autor. O Bruno fez um ofício para o Dmaae pedindo um levantamento sobre todas as obras feitas no período que ele esteve à frente do departamento. Então ele [Zucareli] mesmo está interessado na apuração dessas denúncias. Isso tem jeito de denúncia eleitoreira. Mas a denúncia chegou à Câmara e considero muito importante essa averiguação para que a nossa população conheça os fatos e se tiver alguma culpa que seja punido”, explicou o vereador.

O presidente da Casa de Leis, José Maria de Paula (MDB), também comentou sobre a importância de uma investigação séria e imparcial feita pela Câmara Municipal. “Nós tomaremos todas as providências para averiguar essa denúncia. É nossa obrigação dar uma resposta à sociedade sobre esse assunto”, argumentou.

A CPI será composta pelos vereadores Márcio Daniel Igídio (SD), Paulo Luiz de Cantuária (MDB), Rafael Francisco da Silva (PSC) e terá noventa dias para apurar os fatos denunciados.